"Vivo da floresta, protejo ela de todo o jeito, por isso vivo com a bala na cabeça a qualquer hora, porque vou para cima, eu denuncio. Quando vejo uma árvore em cima do caminhão indo para uma serraria me dá uma dor. É como o cortejo fúnebre levando o ente mais querido que você tem, porque isso é vida para mim que vivo na floresta e para vocês também que vivem nos centros urbanos."

Zé Claudio, assassinado em maio de 2011.



segunda-feira, 15 de março de 2010

Aprovada Política Nacional de Resíduos Sólidos


Desenove anos depois...finalmente foi aprovada pela Câmara do Deputados, em 10 de março de 2010, a Política Nacional de Resíduos Sólidos. O projeto segue agora para o Senado, sendo aprovado por lá, só restará ser sancionado pelo presidente Lula.

A Política estabelece que quem gera o resíduo, fica responsável por sua destinação final, o que certamente ampliará o mercado da reciclagem e reduzirá o número de lixões. Além de garantir o conceito de responsabilidade compartilhada, ou seja, cada integrante da cadeia, geradora do resíduo, sejam fabricantes, distribuidores, comerciantes e até consumidores sejam atuantes e responsáveis por todos esses resíduos gerados.

Fabricantes terão que colocar no mercado embalagens recicláveis e que gerem menos resíduos. Também será obrigatória a estruturação e a implementação de sistemas de logística reversa para agrotóxicos, seus resíduos e embalagens, e para outros produtos considerados perigosos . Pilhas, baterias, pneus, óleos lubrificantes, lâmpadas fluorescentes de vapor de sódio e mercúrio e de luz mista, além de produtos eletroeletrônicos e seus componentes também deverão integrar a cadeia reversa, ou seja, percorrer o caminho da reciclagem até sua etapa final.

O projeto também define regras para a Coleta Seletiva, que priorizará catadores de baixa renda e cooperativas que já fazem esse trabalho. Os serviços de coleta urbana, deverão oferecer um esquema de separação de recicláveis e orgânicos, facilitando o descarte para o consumidor final, garantindo assim que a reciclagem de fato aconteça.

A proposta também prevê incentivos fiscais para as pessoas jurídicas que atuam na área de reciclagem e para a pessoa jurídica que presta serviços de aterro sanitário e industrial.



“Após 19 anos, finalmente, a Câmara dos deputados aprovou a legislação há tanto tempo requerida pelo setor ambiental e toda a sociedade. Uma diretriz ambiental e socioeconômica para que o lixo, problema ambiental e social, se transforme em alternativa de geração de renda, empregos, oportunidades de negócios e de sustentabilidade”, deputado Arnaldo Jardim (PPS-SP)

Enfim uma boa notícia ambiental...com tantos magnatas em Brasília querendo marginalizar o Código Florestal, uma aprovação deste nível, mesmo que quase depois de duas décadas, vai beneficiar o país inteiro. Aprenderemos, enfim, que é possível gerar dinheiro com a reciclagem, garantindo ao planeta que não sofra as consequências catastróficas do nosso péssimo hábito de descartar o que pode ser reaproveitado em qualquer lugar na natureza.

Legal ver que ainda exista quem trabalha em Brasília, num ritmo certamente bem mais lento, que a grande maioria dos brasileiros, mas acho que podemos confiar em pelo menos uma meia dúzia.

Aproveitando a chance, não deixem de participar da Campanha da SOS Mata Atlântica: Exterminadores do Futuro ( o banner está localizado no lado superior direito do blog) clique lá, entenda a iniciativa, particpe e divulgue. Vamos saber direitinho quem são os bandidos que querem alterar o código florestal brasileiro e todos os inimigos do meio ambiente. A luta continua, sempre!

2 comentários:

Felipe Bueno disse...

Sem dúvida a aprovação desta política pala Câmara foi muuito importante. No entanto devemos lutar por incentivos fiscais, para todos os envolvidos nesse processo.

Mariana M. Thomé disse...

Totalmente de acordo. Mais que aprovar leis é necessário gerar condições favoráveis para que elas sejam executadas de forma correta e ampla.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...